Laboratórios

Estação de trabalho Há muitos anos a Camfil Farr vem desenvolvendo parcerias com as empresas líderes de mercado na fabricação de cabinas de Fluxo Laminar e de Biossegurança. Como resultado desse ótimo relacionamento com nossos parceiros e por estarmos muito bem familiarizados com as necessidades desse mercado, o filtro HEPA preferido pela indústria é o nosso MEGALAM.

MEGALAM

Nosso renomado filtro MEGALAM possibilita ao fabricante original do equipamento (OEM) maximizar a vazão, reduzindo a pressão diferencial, e portanto, reduzindo significantemente os custos de energia dependendo da profundidade do “pleat pack” selecionado.

Quando o fluxo laminar é necessário:

Cabinas de Segurança são conhecidas por suas altas exigências em termos de laminaridade. Alguns de nossos clientes OEM requisitaram um nível de 0.45 m/s / 90 fpm ± 10%. Graças à nossa tecnologia de plissagem CMS (Controlled Media Spacing, ou seja, Espaçamento Controlado de Meio Filtrante), e ao “laminador” opcional aplicados ao filtro durante a produção, essas demandas exatas podem ser cumpridas prontamente.

Série Completa de Filtros HEPA

Os “pleat packs” dos filtros MEGALAM são fabricados em três profundidades de plissas: 45, 68 e 90 mm (medidas nominais de 2, 3 e 4"). Todos os filtros fornecidos são individualmente testados e possuem total rastreabilidade a fim de proporcionar o ar mais limpo e de melhor custo / benefício para os ambientes mais exigentes.

Normas relacionadas aos laboratórios:

1. EN 12469 Norma de Cabina de Segurança

As três classes de cabinas de segurança são as seguintes:

  • Classe I: Cabinas de segurança com uma abertura frontal através da qual o operador pode realizar manipulações dentro da cabina. Essas cabinas são construídas de maneira que o trabalhador esteja protegido e o escape da contaminação das partículas suspensas no ar geradas dentro da cabina seja controlado através de um fluxo de ar na direção do interior através da abertura frontal da cabina e filtragem da exaustão.
  • Classe II: Cabinas de segurança com uma abertura frontal através da qual o operador pode realizar manipulações dentro da cabina. Essas cabinas são construídas de maneira que o trabalhador esteja protegido, o risco de contaminação do produto e contaminação cruzada seja baixo e o escape da contaminação de partículas suspensas no ar geradas dentro da cabine seja controlado por meio de um apropriado fluxo de ar interno filtrado e da filtragem da exaustão. Observação: Uma maneira típica de se conseguir isso é através de um fluxo laminar para baixo dentro da cabina e uma cortina de ar na abertura frontal.
  • Classe III: Cabinas de Segurança nas quais a área de trabalho é totalmente fechada e o operador é separado do trabalho por uma barreira física (ou seja, luvas presas mecanicamente à cabina). Ar filtrado é continuamente insuflado na cabina e a exaustão é tratada para impedir a liberação de microorganismos.

2. WHO Manual de Biossegurança

Projetado para impedir a exposição a microorganismos prejudiciais, este documento estabeleceu níveis de risco de 1 a 4, o risco 1 sendo o mínimo e o risco 4 sendo o máximo. Os níveis 1 e 2 não são considerados laboratórios de contenção enquanto os níveis 3 e 4 o são. Os Códigos de Práticas se dedicam ao acesso, proteção pessoal, procedimentos, áreas de trabalho e gerenciamento de biossegurança. Design e Instalações se dedica a características de design. Equipamentos Laboratoriais se dedica aos equipamentos essenciais de biossegurança. Vigilância Médica e de Saúde se dedica ao monitoramento dos trabalhadores que lidam com microorganismos de vários níveis de risco. Além disso, as seguintes questões são tratadas: treinamento, manejo de resíduos e segurança química, de fogo, elétrica e de radiação.

Extraído do manual:

O laboratório de contenção - Nível de Biossegurança 3 é projetado e fornecido para trabalhos com microorganismos do Grupo de Risco 3 e com grandes volumes ou altas concentrações de microorganismos do Grupo de Risco 2 que representam um risco progressivo de propagação aerossol. A contenção de Nível de Biossegurança 3 requer o fortalecimento dos programas operacionais e de segurança acima daqueles usados para laboratórios básicos – Níveis de Biossegurança 1 e 2. (1)

  1. O sistema de ventilação do prédio deve ser construído de forma que o ar do laboratório de contenção - Nível de Biossegurança 3 não seja recirculado para outras áreas do prédio. O ar pode ser filtrado por filtros HEPA, recondicionado e recirculado dentro dos limites do laboratório. A exaustão do laboratório (que não aquela das cabinas de segurança biológica) deve ser descarregada para fora do prédio, para que seja dispersa longe de prédios ocupados e tomadas de ar. É recomendado que esse ar seja descarregado através de filtros HEPA de partículas de ar de alta eficiência.
  2. As cabinas de segurança biológica devem ser posicionadas distantes de calçadas e de correntes cruzadas de portas e sistemas de ventilação (ver Capítulo 7 ). (1)
  3.  A exaustão das cabinas de segurança biológica Classe I e Classe II (ver Capítulo 7), que já terá passado por filtros HEPA, deve ser descarregada de maneira a impedir a interferência com o equilíbrio do ar da cabina ou do sistema de exaustão do prédio. Todos os filtros HEPA devem ser instalados de maneira que permitam a descontaminação e o teste de fase de gás. (1)

O laboratório de contenção máxima – Nível de Biossegurança 4 é projetado para trabalhos com microorganismos do Grupo de Risco 4. Antes de construir e colocar um laboratório desse tipo em funcionamento, deve-se fazer um trabalho intensivo de consultas com instituições que tenham tido experiência na operação de instalações similares. A operação dos laboratórios de contenção máxima – Nível de Biossegurança 4 devem estar sob o controle das autoridades de saúde nacionais ou de outras autoridades competentes. (1)

1. Sistema de ar controlado. A pressão negativa deve ser mantida nas instalações. Tanto o insuflamento quanto a exaustão devem ser filtrados por filtros HEPA. Há diferenças significativas entre os sistemas de ventilação do laboratório de cabina Classe III e o laboratório de traje de segurança:

  • Laboratório de cabina Classe III. O insuflamento de ar para as cabinas de segurança biológica Classe III deve ser tirado de dentro da sala através de um filtro HEPA instalado na cabina ou fornecido diretamente do sistema de insuflamento de ar. O ar da exaustão das cabinas de segurança biológica Classe III devem passar através de filtros HEPA antes de sua descarga para o exterior. A cabina deve ser operada em pressão negativa conforme as diretrizes provisórias para o laboratório circundante por todo o tempo. Um sistema dedicado de não-circulação para o laboratório de cabina se faz necessário.
  • Laboratório de traje de segurança. Sistemas dedicados de insuflamento e exaustão de ar são requisitos. Os componentes de insuflamento e exaustão dos sistemas de ventilação são equilibrados para produzir um fluxo de ar direcional dentro da área de traje de segurança, da área(s) de menor periculosidade para a área de maior potencial de periculosidade. Ventiladores de exaustão são exigidos para garantir que a instalação permaneça sob pressão negativa o tempo todo. A pressão diferencial entre o laboratório de traje de segurança e as áreas adjacentes deve ser monitorada. O fluxo de ar nos componentes de insuflamento e exaustão devem ser monitorados e um sistema apropriado de controles deve ser utilizado para impedir a pressurização do laboratório de traje de segurança. Ar de insuflamento filtrado por filtros HEPA deve ser fornecido à área de traje de segurança, ao chuveiro de descontaminação e às câmaras estanque ou câmaras de descontaminação. O ar da exaustão do laboratório de traje de segurança deve passar através de uma série de dois filtros HEPA antes de sua descarga exterior. Como alternativa, após a dupla filtragem HEPA, o ar da exaustão pode ser recirculado, mas apenas dentro do laboratório de traje de segurança. Sob nenhuma circunstância o ar da exaustão do laboratório de traje de segurança de Nível de Biossegurança 4 pode ser recirculado para outras áreas. Extrema cautela deve ser tomada se a recirculação do ar dentro do laboratório de traje de segurança for eleita. Deve-se levar em consideração os tipos de experências conduzidas, os equipamentos, as substâncias químicas e outros materiais utilizados no laboratório de traje de segurança, assim como as espécies de animais que podem estar envolvidas nas pesquisas. (1)

Todos os filtros HEPA devem ser testados e certificados anualmente. As caixas terminais de filtros HEPA são projetadas para permitir a descontaminação in situ do filtro anterior à sua remoção. Como alternativa, o filtro pode ser removido num contâiner vedado e à prova de gás para subseqüente descontaminação ou destruição por incineração. (1)

(1) Manual de Laboratórios de Biossegurança, Organização Mundial da Saúde, 2003 (em inglês, Laboratory Biosafety Manual, World Health Organization).

Contato

(19) 3847-8810 sac@camfil.com

Para mais informações
KEEP UPDATED!

Subscribe to Camfil newsletter